Plano Municipal de Operalização da Vacinação Contra a COVID-19

Atualizado: há 5 dias






NOTA TÉCNICA Campanha de vacinação contra COVID-19 Plano Operativo 28/01/2020 Contexto A realização da campanha de vacinação contra COVID-19 será um grande desafio para o SUS, particularmente para gestores e equipes técnicas Municipais. Sem dúvida, uma experiência sem precedentes. O presente documento define o Plano Municipal de operacionalização de Vacinação contra a COVID-19 em Cachoeiras de Macacu-RJ, onde estabelecemos estratégias e planejamos as ações de vacinação. Tais Preparativos que incluem também a articulação com outros setores do poder público, como também com diferentes segmentos da sociedade, propiciando um ambiente de trabalho integrado, de parcerias, de transparência com o objetivo principal de assegurar uma vacinação segura e eficiente. É fundamental a união de esforços de toda a equipe da rede Municipal para atingirmos o objetivo e superarmos os desafios de se vacinar a população que compôem os grupos prioritários de forma segura e eficaz onde não se comprometa a saúde dos profissionais envolvidos e a qualidade dos Imunos a serem manuseados e utilizados nesta Campanha que entendemos ser um grande marco na história do Programa Nacional e Municipal de Imunização. Toda estratégia de vacinação deverá manter rigorosamente os cuidados para evitar aglomeração, medidas que impeçam a transmissão da doença e as medidas de segurança para os profissionais de saúde. Preparação de Plano para Realização da Campanha de Vacinação contra COVID1-19 Coordenação do Plano Instituir um Coordenador da Campanha e compor uma equipe de coordenação e apoio técnico. Atribuições desta equipe: * Articular o Planejamento da campanha de modo conjunto com todos os setores que estarão envolvidos na operacionalização da Campanha. O Planejamento envolve: * Identificar/estimar a quantidade de pessoas a serem vacinadas de acordo com o estabelecido nos Planos Nacional e Estadual de Vacinação * É útil utilizar como base ou comparação entre as estimativas oficiais a quantidade de doses aplicadas nos grupos específicos durante a Campanha de Influenza de 2020, ou a de 2019. * Identificar as diferentes estratégias de vacinação para facilitar acesso das pessoas a serem vacinadas e atingir as metas preconizadas * Quantificar número de trabalhadores necessários e parcerias para compor as equipes de vacinação (por exemplo: escolas e faculdades de profissionais de enfermagem) * Identificar e quantificar todos os insumos que serão utilizados nas diferentes estratégias de vacinação (vacinas, seringas e agulhas, impressos, caixas térmicas, bobinas de gelo, material para descarte adequado dos resíduos, EPIs etc.) * Organizar a logística da Campanha: estoque e distribuição dos insumos e vacinas para os Postos de Vacinação * Organizar o gerenciamento dos resíduos em todo tipo de estratégia de vacinação * Organizar capacitação das equipes de vacinação e da Vigilância em Saúde * Organizar equipe de supervisão nos Postos de Vacinação e da central de abastecimento * Estabelecer as necessidades de comunicação de modo articulado com os setores de Comunicação * Articular formadores de opinião. Estratégias de vacinação As estratégias de vacinação devem ser consideradas de acordo com os grupos e população a ser vacinada, propiciando facilidade de acesso e atender necessidades especificas de grupos vulneráveis. Foram priorizadas segundo os critérios de exposição à infecção e de maiores riscos para agravamento e óbito pela doença. O escalonamento desses grupos populacionais para vacinação se dará conforme a disponibilidade das doses de vacina, após liberação para uso emergencial pela Agência Nacional de Vigilância Sanitária (ANVISA). O Ministério da Saúde iniciou a campanha nacional de vacinação contra a covid-19 em 18 de janeiro de 2021, com um total de 6 milhões de doses da vacina Sinovac (Butantan). De acordo com o quantitativo disponibilizado, na primeira etapa da campanha foram incorporados os seguintes grupos prioritários: * Pessoas idosas residentes em instituições de longa permanência (institucionalizadas); * Pessoas a partir de 18 anos de idade com deficiência, residentes em Residências Inclusivas (institucionalizadas); * População indígena que vive em terras indígenas homologadas e não homologadas; e * 34% dos Trabalhadores da saúde (ver estrato populacional abaixo) Foi necessário um ordenamento de priorização desse estrato populacional, a fim de atender TODOS os trabalhadores da saúde com a vacinação, sendo facultada a Estados e Municípios a possibilidade de adequar a priorização conforme a realidade local, a serem pactuadas na esfera bipartite (Estado e Município). Segue abaixo a orientação de priorização da categoria dos trabalhadores de saúde que foram estabelecidas: * Equipes de vacinação que estiverem inicialmente envolvidas na vacinação; * Trabalhadores dos serviços de saúde públicos e privados, tanto da urgência quanto da atenção básica, envolvidos diretamente na atenção/referência para os casos suspeitos e confirmados de covid-19; * Demais trabalhadores de saúde. Cabe destacar o caráter contínuo da vacinação, contemplando os grupos de forma cumulativa, à medida que novas doses da vacina forem disponibilizadas, visando à vacinação dos grupos prioritários, segundo escalonamento previsto pelo Ministério da Saúde. Nesse sentido, é muito importante, na medida do possível, que a Secretaria Municipal de Saúde e a rede de serviços de Atenção Primária à Saúde (APS)/ Estratégia Saúde da Família (ESF) estabeleçam parcerias locais com instituições públicas a fim de descentralizar a vacinação para além das Unidades da APS. Possíveis parceiros podem ser os serviços de assistência social, a rede de ensino, as Forças Armadas, os centros de convivência, entre outros. No âmbito da APS, sugerem-se as seguintes estratégias que podem ser adotadas isoladamente ou de forma combinada pelos serviços: * Postos de vacinação Fixos: atende demanda espontânea, funciona em período integral, sugerimos as Unidades: C.M.S (Centro Municipal Mário Simão Assaf), UBS Japuíba, UBS Ribeira, ESF Papucaia e ESF Maraporã, * Postos de vacinação volantes área Rural: ficam sugerido as 16 unidades de Estratégia de Saúde da Família distribuídas entre o 1º, 2º e 3ºdistritos do município atendendo demanda espontânea, * Equipe de vacinação para acamados: funciona com roteiro específico para atender esta população, * Equipe de vacinação para institucionalizados: funciona com roteiro específico para atender esta população, Quadro: Estimativa de funcionários estimados para uma equipe, por tipo de estratégia de vacinação: Função Acolhimento Triagem Registro das doses Preparação Aplicação Motorista Total Posto Fixo0101-010103Posto volante área rural0101-010104Acamados011-010103Institucionalizados01--020104Obs: a depender da quantidade de pessoas a serem vacinadas é necessário montar mais de uma equipe Estimativas de aplicação de vacinação: Estima-se que cada aplicador faz 30 vacinas por hora, considerando que todo o processo de triagem, orientação, registro de doses e preparação da vacina já tenha ocorrido. Estima-se que cada aplicador faça 168 aplicações/dia, considerando uma jornada de trabalho de 8 horas e descontando intervalos para descanso, banheiro, etc. Com estes parâmetros é possível estimar a aplicação de vacinação nas diferentes estratégias de vacinação. Logística Organizar toda a logística da Campanha é ação estruturante, pois ela garante o seu funcionamento. É importante verificar com antecedência as condições do município para o recebimento e armazenamento dos insumos que serão entregues pela Secretaria de Estado da Saúde. Cabe Solicitação ao CGA a informação da grade de dispensação dos insumos prevista para o município. Considerar a possibilidade de buscar parcerias para eventual acondicionamento de insumos, procurando por um local seguro de umidade e calor, com medidas para evitar possíveis vandalismos. Central de abastecimento ou almoxarifado Este é o primeiro setor a ser acionado para a execução da Campanha. Assim, a equipe da Central de abastecimento já deve estar com seu planejamento de trabalho, destacando os responsáveis pelos diferentes setores, necessidade de RH e com previsão de horas extras. Atribuições da Central: * Fazer levantamento dos insumos em estoque, * Fazer previsão de necessidade junto com a Coordenação da Campanha, * Receber os insumos e vacinas, * Propiciar acondicionamento adequado, * Preparar e distribuir insumos e vacinas, * Fazer a distribuição, * Oferecer retaguarda durante todo o período da execução da vacinação, * Realizar as entregas eventuais. Setor de Transporte: * É necessário estimar a necessidade de veículos e motoristas para as entregas de insumos de vacinas e deslocamento das equipes. * Fazer a manutenção preventiva dos veículos Unidades Básicas de Saúde As Unidades Básicas de Saúde também trabalham com logística, pois devem planejar suas necessidades de insumos e vacinas e de RH, bem como toda a preparação para estratégias de vacinação que acontecem em seu território, externas à Unidade. Atribuições: * Receber e acondicionar insumos e vacinas, * Preparar material para a Equipe de Acamados, * Monitorar quantidade de insumos diariamente para solicitação prévia, para evitar desabastecimento, * Fazer os registros necessários de acordo com o processo administrativo municipal, * Preparar logística para destino dos resíduos.

Rede de Frio A cadeia de frio é o processo logístico da rede de frio, desde a saída do imunobiológico de um determinado ponto até chegar ao indivíduo que receberá a vacina. Nesta cadeia entra também o transporte, aonde as vacinas iram em caixas térmicas com bobinas de gelo e termômetros. Em toda a cadeia deve ser organizado o processo de trabalho para monitoramento e registro das temperaturas. Uma rede de frio adequada é essencial para garantir a qualidade do imunobiológico. Ela abrange todo o sistema, o que inclui a estrutura técnico-administrativa, planejamento, avaliação e financiamento. Esta estrutura é normatizada pelo Programa Nacional de Imunização e visa à manutenção adequada da cadeia de frio. * Verificar com antecedência as condições das câmaras frias e ver necessidade de reparos, * Verificar a quantidade e condições das caixas térmicas e termômetros, * Verificar as condições e quantidade das bobinas de gelo, * Providenciar o que for necessário de acordo com o planejamento e as condições observadas, * Considerar possibilidade de parcerias com outros setores para contribuir com possíveis empréstimos, * Criar Equipes de plantão para receber e acondicionar as vacinas. Comunicação A comunicação se apresenta com um dos principais desafios nesta Campanha, considerando o ambiente óbitos; desejo da população de se vacinar, e ao mesmo tempo a hesitação; processo de vacinação desencontrado entre os entes federados são os aspectos que marcam o contexto da Campanha. Neste cenário, é imprescindível uma comunicação local e particular para cada território e segmento da população, mesmo em havendo uma estratégia de comunicação federal e estadual. Ações de comunicação local criam um ambiente de confiança com a população e colaboram na adesão à vacinação. Necessário uma diretriz de comunicação clara sobre os grupos a serem vacinados e o motivo desta prioridade, divulgar o cronograma completo de vacinação (até onde foi disponibilizado pelo estado e Ministério da Saúde), divulgar os locais e horários de vacinação, manter transparência nas informações de doses aplicadas, metas atingidas e dos eventuais eventos adversos. Considerar e Organizar: * Comunicação com a imprensa durante os preparativos e balanços periódicos da Campanha, * Comunicação particular nos territórios: cartazes, carro-som, rádio comunitárias, * Comunicação com segmentos sociais e instituições estratégicas: formadores de opinião, * Comunicação com os serviços de saúde que eventualmente receberão vacinas para aplicarem em seus funcionários: cuidar para que não haja extravio, * Utilizar as mídias sociais, * Incorporar no plano local de comunicação os influenciadores de opinião. Vigilância de Eventos Adversos à Vacina - Farmacovigilância Com uma vacinação em massa, podem ocorrer eventos adversos associados de fato às vacinas bem como doenças e agravos que naturalmente aconteceriam e serão coincidentes temporalmente com a vacinação. Qualquer ocorrência fora do esperado e sem a devida investigação pode provocar dificuldades na continuidade da Campanha. Sendo assim, é preciso organizar um esquema ágil de detecção e investigação destas situações. Capacitar e Organizar a rede de Assistência (pública e privada) e a Vigilância em Saúde para que estejam sensíveis: * Detectar, notificar agilmente e fazer busca ativa de novos eventos, * Investigar os casos (exames clínicos, exames laboratoriais etc.), * Encerrar os casos e fazer a classificação final, * Organizar fluxo de divulgação dos eventuais casos identificados para profissionais de saúde e população, * Organizar plantão para recebimento de notificações no período fora do expediente normal de trabalho: noite, final de semana e feriados. A rapidez em identificar, elucidar e comunicar amplamente os profissionais de saúde e toda a população cria segurança entre todos para a continuidade da vacinação.


Mobilização Social


A mobilização social visa propiciar apoio e adesão à vacinação por parte de toda a sociedade. Para isto acontecer o Plano Local deve ser amplamente debatido:


* Apresentar o Plano com o Conselho Municipal de Saúde,


* Articular e envolver setores da sociedade,


* Articular e envolver categorias de classe e sociedades científicas,


* Apresentar o Plano para Câmara de Vereadores,


* Articular e envolver lideranças locais.



Registro de doses



Utilizar o sistema de informação que foi disponibilizado pelo PNI e Secretaria de Saúde do Estado que foi o módulo específico nominal, para cadastro de cada cidadão com a indicação da respectiva dose administrada (Laboratório e lote), além da atualização do módulo de movimentação de imunobiológico para facilitar a rastreabilidade e controle dos imunobiológico distribuídos, Essa modalidade de registro garante o reconhecimento do cidadão vacinado pelo número do Cadastro de Pessoa Física (CPF) ou do Cartão Nacional de Saúde (CNS), a fim de possibilitar o acompanhamento das pessoas vacinadas, evitar duplicidade de vacinação, e identificar/monitorar a investigação de possíveis EAPV facilitando o planejamento e o acompanhamento em situações de Eventos Adversos Pós Vacinação (EAPV).







Necessário prever equipe para registro das doses nos diferentes tipos de Postos de vacinação, em número adequado, para evitar atraso e tumultos.

* Identificar pessoas com habilidade para compor as equipes de registradores de doses

* Identificar previamente a conectividade dos diferentes Postos de Vacinação:

* Onde não houver conectividade deverão ser adotadas as alternativas de registo off-line ou com impressos de registro, de acordo com as orientações do Estado e Ministério da Saúde.

* Organizar equipe de gestão e monitoramento do sistema informatizado: equipe técnica e com apoio de TI,

* Organizar fluxo e periodicidade de avaliação das metas e de divulgação do balanço da campanha.


Contexto

Realizar avaliação da campanha em toda sua dimensão permite observar o sucesso ou as dificuldades para executar o que foi planejado.

Quanto mais participativo for o processo de avaliação melhor será seu resultado, o ideal é que todos os setores que estiveram envolvidos possam participar.

Realizar avaliação durante o processo permite fazer os ajustes necessários e manter o envolvimento da equipe.


Considerar na organização da Campanha as seguintes situações:



* Filas de pessoas nos postos de vacinação devido invasão de outros grupos populacionais e de outras localidades

* Necessidade de segurança durante o transporte de insumos e vacinas


Lista sugestiva de materiais que poderão ser necessários:


* Seringa 3 ml

* Agulha 25x7

* Agulha 30x7

* Agulha 20x5, 5

* Coletor de material perfuro cortante

* Algodão

* Papel Lençol

* Luvas de Procedimento

* Álcool Gel Limpeza Superfície.

* Álcool Gel para mãos

* Álcool 70 GL

* Comprovante de vacinação.

* Máscara Descartável.

* Papel Toalha

* Sabonete Líquido

* Lixo Pedal

* Lixo Branco

* Lixo Preto

* Computador

* Impressora/ Tonner

* Mesa

* Cadeiras

* Papel Sulfite

* Caixas térmicas diferentes dimensões

* Termômetros

* Bobinas de gelo


REFERÊNCIAS


Brasil. Ministério da Saúde. Plano Nacional de Operacionalização de Vacinação contra Covid-19. Disponível em: https://www.gov.br/saude/ptbr/media/pdf/2020/dezembro/16/plano_vacinacao_versao_eletronica.pdf

248 visualizações0 comentário

Posts recentes

Ver tudo

Prefeitura Municipal de Cachoeiras de Macacu
Endereço: Rua Oswaldo Aranha, nº 6 - Centro

 Cachoeiras de Macacu - RJ Telefone: (21) 2649-4814